Não possui cadastro? cadastre-se

Emprego na construção cai 1,18% em junho e setor perde 465 mil postos de trabalho em 12 meses

Primeiro semestre de 2016 já acumula redução de mais de 139,1 mil vagas

18/08/2016

 

 

Em junhoa construção civil brasileira registrou queda de -1,18% no nível de emprego na comparação com maio - a 21ª queda consecutiva (desde outubro de 2014). Com o fechamento de 33,02 mil postos de trabalho, o saldo de trabalhadores ficou em 2,76 milhões.


Com o corte de 139,1 mil vagas no primeiro semestre de 2016, o saldo em 12 meses é de - 465 mil postos de trabalho. Desconsiderando efeitos sazonais*, o número de vagas fechadas em junho foi de 43,8 mil (-1,56%).


Os dados são da pesquisa realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), com base em informações do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE). 


O presidente do SindusCon-SP, José Romeu Ferraz Neto, observa que o nível de emprego na construção brasileira retrocedeu ao patamar registrado em 2009 e deverá cair ainda mais, se não forem adotadas medidas emergenciais para estimular a atividade do setor.


“O número de vagas fechadas na indústria da construção desde 2014 deverá ultrapassar 1,1 milhão até o final de 2016. Isto representa 30% do total de trabalhadores que o setor chegou a empregar antes da crise. Mas o setor voltará a empregar rapidamente se medidas urgentes destinadas à expansão da infraestrutura e à contratação de habitação popular forem tomadas, junto com o lançamento de novas concessões e Parcerias Público-Privadas. Este esforço precisa envolver tanto a União como os estados e os municípios”, afirma.


Segmentação
 
Por segmento, obras de instalação caiu 1,70% em junho na comparação com maio, seguido de imobiliário (-1,51%). No acumulado do ano, contra o mesmo período do ano anterior, o segmento imobiliário apresenta a maior queda (-17,89%). 

A deterioração do mercado de trabalho afeta quase todas as regiões do Brasil, sendo que os piores resultados foram observados no Nordeste (-1,51%) e Sudeste (-1,48%). Apenas o Centro-Oeste apresentou alta (0,12%).

 

Emprego por regiões do Brasil 
(junho de 2016)**

Região

Variação mensal (%)

Variação absoluta do estoque

Nordeste

-1,51

-8.598

Sudeste

-1,48

-20.926

Sul

-0,80

-3.482

Norte

-0,17

-279

Centro-Oeste

0,12

258

Brasil (Total)

-1,18

-33.027

**Os dados da tabela consideram os fatores sazonais

 

Estado de São Paulo

 
Em junho, houve queda de 1,32% no emprego em relação a maio, com redução de 9,86 mil vagas. O estoque de trabalhadores foi de 746,1 mil em maio para 736,3 mil em junho. Desconsiderando a sazonalidade**, houve queda de 2,20% (-16,4 mil vagas).


No período, o segmento imobiliário respondeu pelo pior desempenho (-1,80%), acompanhado por de obras de instalação (-1,65%).


Na capital, que responde por 45% do total de empregos no setor, a queda em junho em relação ao mês anterior foi de 1,62% (-5.465 vagas). Em 12 meses, São Paulo registrou retração de 13,32%. 


Entre as Regionais do SindusCon-SP, Santos apresentou a maior queda (-2,47%), seguido por Campinas (-1,60%). Apenas Santo André registrou alta (0,79%). 


Emprego por regiões do Estado de São Paulo 

(junho de 2016)**

Região

Variação mensal (%)

Variação absoluta do estoque

Santo André

0,79

339

São José dos Campos

-0,70

-451

São José do Rio Preto

-0,78

-311

Ribeirão Preto

-0,98

-486

Presidente Prudente

-1,15

-102

Bauru

-1,43

-311

Sorocaba

-1,44

-1.208

Campinas

-1,60

-1.269

São Paulo (sede)

-1,62

-5.465

Santos

-2,47

-675

 **Os dados da tabela consideram os fatores sazonais

 

*A dessazonalização é um tratamento estatístico que tem como objetivo retirar efeitos que tipicamente acontecem em um mesmo período do ano. 


Sobre o SindusCon-SP
 
O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) é a maior associação de empresas do setor na América Latina. Congrega e representa 650 construtoras associadas e 22,5 mil filiadas em todo o estado. A construção paulista representa 27,5% da construção brasileira, que por sua vez equivale a 5,3% do Produto Interno Bruto do Brasil.

Assessoria de imprensa SindusCon-SP:

 
Andrea Ramos Bueno: abueno@sindusconsp.com.br Tel.: (11) 3334-5701
Enzo Bertolini: ebertolini@sindusconsp.com.br Tel.: (11) 3334-5659

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:SindusCon-SP

Patrocinadores
Daikin Promaflex ConstruOffice Sistema Navis

Saiba mais
Manuais de Escopo
 
® Secovi 2017 - Todos os direitos reservados Site desenvolvido por Sistema Navis